Covid19: Pesquisadores apresentam matança provocada pela cloroquina durante pandemia

COVID19: Pesquisadores de Lyon, na França, realizaram um minucioso estudo mostrando a verdadeira matança que o consumo de cloroquina produziu no mundo durante o período da primeira onda da Covid-19. O levantamento, inédito, foi publicado pelos cientistas na revista “Biomédicine et Pharmacotherapy”. Brasil e Índia, os dois países gigantes em que o consumo da droga foi mais estimulado por governos irresponsáveis, não tiveram dados referentes ao assunto computados pelos acadêmicos.

De acordo com a análise, o uso da cloroquina na França, EUA, Bélgica, Itália, Espanha e Turquia não apenas foi totalmente ineficaz no combate ao coronavírus Sars-Cov-2, como acabou por provocar quase 17 mil mortes diretamente no período entre março e julho de 2020. Os dados foram desproporcionais entre essas nações, com Turquia apresentando 95 mortes, França 199, Bélgica 240, Itália 1822, Espanha 1895 e EUA, num recorde, com 12.739 óbitos.

A maluquice de tomar cloroquina, uma substância destina a combater a malária, teve início nos primeiros dias da pandemia, quando o médico microbiologista francês Didier Raoult, da Universidade de Aix Marselha, saiu alardeando que tinha “vencido a Covid” com esse fármaco, um fato desmentido amplamente posteriormente. No Brasil, a sandice irresponsável encontrou forte adesão por parte do governo negacionista e caótico de Jair Bolsonaro (PL).

Jean-Christophe Lega, professor de clínica médica e especializado em medicina interna no Centro Hospitalar Universitário de Lyon, um dos principais autores do estudo, disse à Radio France Internationale (RFI) como foi que os analistas chegaram ao resultado com números quantitativos.

“O que devemos ter em mente é que esta é uma estimativa aproximada, no sentido de que diz respeito apenas a alguns países durante um curto período de tempo e o número total de mortes é provavelmente muito maior”, começou dizendo Lega.

?“O estudo se concentrou em seis países porque eles desenvolveram um trabalho de modelização sobre dados publicados… Como nós utilizamos quatro parâmetros: o efeito sobre a mortalidade da cloroquina, o número de pacientes hospitalizados pela Covid-19 e depois a taxa de prescrição, este conjunto de dados estava disponível em apenas 6 países”, adicionou ainda o pesquisador.

“Temos dados da farmacovigilância de um lado e também testes e controles randomizados de outro lado, que nos mostram que a cloroquina pode ter uma toxicidade cardíaca. Estes dados já são bem conhecidos, principalmente no uso da droga em casos de doenças autoimunes e para a malária, para o que o remédio é normalmente indicado”, seguiu explicando o francês.

Sobre a sanha em sair prescrevendo cloroquina no início da pandemia, o estudioso reiterou é que é necessária uma postura responsável por parte de médicos e pesquisadores e que isso só poderia ser feito se realmente estudos, ainda que inconclusivos, apontassem nessa direção, o que não foi o caso.

“É preciso manter a razão. Pedir cautela e urgência não é prescrever. Na verdade, a urgência é a realização de estudos com um nível de evidência muito elevado que permitam a implementação de estratégias eficazes e seguras no contexto de uma crise sanitária”, concluiu Lega.

Fonte: Forum – Foto: Carolina Antunes/PR

“O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional. Compromisso com a verdade

Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos. .”

Copyright © 2019, Redação Nacional. Todos os direitos reservados

Deixe o primeiro comentário