Câncer renal: Os sintomas costumam passar despercebidos, atrasa diagnóstico dos pacientes

Quando detectado precocemente, o câncer de rim é uma doença com altas chances de cura – os especialistas falam que a probabilidade de recuperação chega a 95%. No entanto, como os sintomas são pouco claros, isso quando eles se manifestam, um terço dos pacientes só descobre o tumor quando ele está em estágio avançado. “A maioria dos casos é diagnosticada de maneira acidental, por meio de exames de rotina que utilizam imagens”, conta o cirurgião urológico do Instituto Nacional do Câncer (Inca), Alexander Dias.

Os principais sintomas, quando eles aparecem, são: dor lombar, perda de peso, febre, tosse persistente, inchaço nos tornozelos e pernas, cansaço constante e sangue na urina.

“Tratar um câncer renal descoberto tardiamente é muito mais complexo e custoso, além de as chances de cura serem menores”, informou o oncologista clínico e líder nacional de tumores gênito-urinários do grupo Oncoclínicas, Denis Jardim, durante o evento “Câncer Renal – Atenção aos sinais”, promovido pela farmacêutica Ipsen.

Como se não bastasse, os fatores de risco mais importantes por trás do câncer de rim afetam parcela considerável da população: obesidadehipertensão e tabagismo. Dados do Ministério da Saúde apontam que cerca de 6,7 milhões de brasileiros estão obesos. A hipertensão, por sua vez, atinge quase 27% da população. Já o hábito de fumar é presente na vida de aproximadamente 10% dos adultos do País. Vale ressaltar ainda que o tumor renal costuma ser mais frequente entre homens, e a partir dos 40 anos de idade. Sem falar nos aspectos genéticos e hereditários.

Segundo o Inca, anualmente, no Brasil, são diagnosticados 12 mil casos desse tipo de câncer. No mundo, ele está entre os 13 mais comuns. Embora não seja tão prevalente, é considerado o tumor urológico mais letal. “A gente não tem uma diretriz mundial de rastreamento do câncer de rim, como acontece com o câncer de mama. Então, para mudar essa realidade no Brasil, é preciso reduzir o tempo de espera entre o diagnóstico e o início do tratamento”, enfatiza Dias.

É válido destacar ainda que não há testes específicos para detectar esse tipo de tumor. Então, muitos diagnósticos dependem da experiência dos médicos e da realização de exames de imagem, como ultrassonografia e ressonância magnética.

TRATAMENTO PERSONALIZADO

Jardim explica que o câncer renal é “uma das doenças com maior heterogeneidade na oncologia”. Na prática, significa que o médico encontra desde tumores de progressão lenta a tumores extremamente agressivos. “Por isso é importante individualizar o cuidado”, esclarece.

Muitas vezes, desconfia-se de câncer renal durante exames de imagem de rotina, como um ultrassom. Foto: stefamerpik/Freepik

Mas há desafios para implementar a medicina personalizada no Brasil. “A maioria das informações vem de populações europeias ou americanas, que são, em geral, caucasianas, diferentemente da realidade étnica brasileira”, aponta Dias. “Por isso, a pesquisa genética no Brasil é o caminho para desenvolver a medicina personalizada aqui”, acrescenta.

O tratamento pode envolver cirurgia (a extensão vai depender dos prejuízos causados ao órgão), radioterapia e imunoterapia. “Para quem tem chance de realizar o tratamento imunoterápico, vemos ganhos não só de tempo de vida, mas também de qualidade de vida”, diz Jardim.

A imunoterapia estimula o próprio sistema imunológico do paciente a reconhecer e combater o câncer. Ocorre que o alto custo desse tipo de terapia dificulta o acesso para grande parte da população. Aumentar a disponibilidade do tratamento para pacientes com doença avançada e metastática (quando o câncer se espalhou para outros órgãos) poderia mudar o cenário de mortes relacionadas à doença.

Fonte: Estadão – Saúde

“O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos.”

Copyright © 2019, Redação Nacional. Todos os direitos reservados.

Deixe o primeiro comentário