Morre Quinho do Salgueiro, uma das maiores vozes do carnaval, coração do samba “Explode em luto”

SAPUCAÍ & SALGUEIRO, choram por Melquisedeque Marins Marques, conhecido como “Quinho do Salgueiro”, morreu aos 66 anos nesta quarta-feira (3), por insuficiência respiratória. Ele estava internado no Hospital Evandro Freire, na Ilha do Governador, e lutava contra um câncer na próstata desde 2022.

Quinho deu vida a grandes sambas-enredo do Salgueiro, entre eles o imortal “Peguei um ita no Norte”, do carnaval de 1993, quando comandou um coro de 60 mil vozes na Sapucaí com o refrão: “Explode coração, na maior felicidade”.

Foto: Divulgação – Prefeitura de Campos

“Você receber uma homenagem em vida, isso me emocionou muito. Nós somos uma pequena partícula dessa imensidão chamada carnaval e escola de samba, e o Salgueiro é a minha vida”, disse em entrevista ao RJ2, em 2023.

Quinho não era apenas um cantor, mas um poeta que traduzia em notas a essência da nossa escola“,

“Quinho não apenas cantou para o Salgueiro; ele viveu e respirou cada nota, cada batida do coração acelerado da bateria. Ele personificou o espírito salgueirense, e sua ausência deixa um vazio indescritível”, prossegue a nota.

TRAJETÓRIA

Quinho começou sua carreira no bloco Boi da Freguesia, no carro de som de Aroldo Melodia na União da Ilha do Governador, em 1988. E lá ficou até 1990.

Ele foi para o Salgueiro em 1991 e, em 1993, se destacou com “Peguei um ita no Norte”. No ano seguinte, o intérprete voltou para a União da Ilha.

Passou por várias outras escolas do Rio como São Clemente, Acadêmicos do Grande Rio, Império da Tijuca e Acadêmicos de Santa Cruz, e de São Paulo, como Rosas de Ouro, e de Porto Alegre, como a Vila do IAPI.

Foi com o Salgueiro, no entanto, que teve sua ligação mais forte. Em 2009, interpretou “Tambor”, com o qual levou a escola a seu nono e último título.

Por causa de divergências com a diretoria, passou um tempo afastado e tentou se candidatar à presidência da agremiação. Mas teve sua candidatura impugnada.

Quinho retornou ao Salgueiro em 2019, quando passou a dividir o carro de som com Emerson Dias.

FONTE: FORUM

“O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional. Compromisso com a verdade

Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos. .”

Copyright © 2019, Redação Nacional. Todos os direitos reservados

Deixe o primeiro comentário