Seminário municipal discute cultura e demandas do hip hop em Salvador – Secretaria de Comunicação

Foto: Bruno Concha/Secom PMS

A Secretaria Municipal da Reparação (Semur) promoveu, na manhã desta quinta-feira (13), o Seminário de Introdução ao Hip-Hop, na Casa das Histórias de Salvador (CHS), no Comércio. O evento teve como objetivo apresentar a cultura hip-hop de Salvador e seus cinco elementos (DJ, MC, Graffite, Break, Conhecimento) a gestores municipais e membros do Comitê do Programa de Combate ao Racismo Institucional da capital baiana, permitindo que a Prefeitura conhecesse, neste primeiro momento, as demandas e aspirações dos artistas desse gênero.

De acordo com a titular da Semur, Ivete Sacramento, para propor qualquer política pública, é necessário se apropriar do conhecimento sobre o que o hip hop representa. “A proposta aqui é apresentar para a Prefeitura o que é o hip hop e, em um segundo momento, sentar e discutir a organização de um plano de políticas públicas e ações afirmativas para este movimento, formado por pessoas negras, em uma cidade composta majoritariamente por pessoas negras”, declarou.

A poetisa e rapper Má Reputação disse esperar que, a partir da apresentação, a gestão pública compreenda como o hip-hop é fundamental para qualquer atividade que vise reparação e combate ao racismo. “É uma ferramenta educativa e social que promove cultura de paz, autorreconhecimento e fortalecimento da identidade local. É crucial captar recursos não apenas para atrair artistas internacionais ou nacionalmente reconhecidos, mas também para impulsionar artistas locais a alcançarem destaque nos eventos promovidos pela Prefeitura”, afirmou.

Promoção da igualdade – O artista de graffite Jocivaldo Silva, conhecido como “Bigod, o Sapo”, entende que há uma necessidade de diálogo entre a cultura hip-hop, a rua, o poder público e a sociedade civil. “Precisamos mostrar o que é nossa cultura, o que o movimento de rua representa. Ao caminhar pelas ruas de Salvador, você vê cores; à noite na praça, as pessoas dançando. São elementos que já estão integrados à experiência do turista na cidade, à cultura urbana atual, e devem ser valorizados”, destacou.

Para avaliar a inserção do hip-hop em políticas culturais, programas de combate ao racismo e promoção da igualdade social, foi formado um comitê com a participação da secretária da Semur, Ivete Sacramento; do subsecretário da Secult, Walter Júnior; e de membros do Comitê do Programa de Combate ao Racismo Institucional (PCRI). Após as apresentações, o comitê e os artistas palestrantes discutiram um plano de ações afirmativas para o movimento hip-hop na cidade.

“Esse evento é uma oportunidade de aproximação da cultura hip-hop de Salvador com a gestão, para que possamos conhecer suas demandas e anseios. O movimento, que também participa do Conselho Municipal de Política Cultural (CMPC), usa esse espaço sem como uma estratégia para fortalecimento da agenda de políticas públicas”, completou o subsecretário de Cultura e Turismo de Salvador (Secult), Walter Júnior.

Reportagem: Ana Virgínia Vilalva e Iann Jeliel/Secom PMS

Fonte: Clique aqui

O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Compromisso com a Verdade, esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos

Deixe o primeiro comentário